ACESSO AFILIADO

Notícias

Comitês

CABMMA anuncia novas medidas disciplinares para os atletas filiados

08/10/2015 - Fonte : Combate.com

Presidente da entidade, Rafael Favetti revela que normas punirão atos de indisciplina dentro e fora das lutas para "fomentar o 'fair play' e inibir o mau comportamento"

 

Por Raphael Marinho / Rio de Janeiro

 

Preocupada com a imagem do MMA e dos atletas brasileiros na modalidade, a Comissão Atlética Brasileira de MMA (CABMMA) anunciou que implementará duas novas medidas disciplinares para os lutadores filiados à entidade. A primeira, de acordo com Rafael Favetti, presidente da CABMMA, é a de punir atos de indisciplina após os combates, já que não é previsto atualmente nenhum tipo de pena nestes casos. A segunda visa a evitar o mau comportamento em suas vidas pessoais.

 

- Essas regras buscam basicamente fomentar o "fair play" e inibir o "bad behavior" (mau comportamento, em inglês) fora da luta. Assim, o atleta de MMA, respeitadas as personalidades de cada um, se tornará cada vez mais profissional. Um exemplo: um atleta de MMA briga na rua. Será aberta uma sindicância, terá todo o contraditório e ampla defesa e a comissão irá julgar. Por que isso? Porque quando um profissional de MMA briga na rua, todo o esporte é atingido. Assim, sempre garantindo o contraditório, os lutadores terão que ter a noção de que são atletas profissionais, ídolos e representam o esporte - explicou Favetti, em entrevista por e-mail ao Combate.com.

 

Os casos serão divididos em leve, grave e gravíssimo e as punições irão desde multas até suspensões. As sentenças serão dadas por um comitê disciplinar, e o atleta terá direito a recurso. Outras novidades da CABMMA é que a entidade pretende tornar público os exames antidoping que realizar em parceria com a USADA, além de divulgar os árbitros de cada luta antes dos eventos, o que não acontece atualmente, ao contrário do que faz a Comissão Atlética de Nevada (NAC), por exemplo.

 

Favetti também comentou a declaração dada por Ricardo Pantcho, treinador de Dan Henderson, que afirmou que o americano não queria lutar no Brasil por não confiar nos exames antidoping da CABMMA e que só aceitou porque eles serão liderados pela USADA.

 

- Se ele disse, vejo como uma desinformação e preconceito com o hemisfério sul, ou, ainda, pretexto para alguma outra intenção. Nosso protocolo antidopagem é WADA antes mesmo da USADA entrar no MMA. Alias, a USADA é parceira de primeira linha da CABMMA. Somos considerados uma das melhores comissões do mundo pelos profissionais da regulação.

 

Confira a entrevista completa:


COMBATE.COM: Quais são e como vão funcionar as novas medidas que a CABMMA pretende implantar?

Rafael Favetti: As novas medidas são de duas ordens: uma procedimental e outra substancial. De ordem procedimental, a CABMMA irá promover a criação de uma comissão disciplinar independente para a instrução e julgamento de causas desportivas, bem como um conselho recursal, também independente. Substancialmente, serão criadas regras de comportamento tanto dentro quanto fora do ringue, de acordo com as melhores práticas mundiais do desporto, no sentido de se profissionalizar ainda mais o MMA. Essas regras buscam basicamente fomentar o "fair play" e inibir o "bad behavior" (mau comportamento, em inglês) fora da luta. Assim, o atleta de MMA, respeitadas as personalidades de cada um, se tornará cada vez mais profissional. Um exemplo: um atleta de MMA briga na rua. Será aberta uma sindicância, terá todo o contraditório e ampla defesa e a comissão irá julgar.  Por que isso? Porque quando um profissional de MMA briga na rua, todo o esporte é atingido. Assim, sempre garantindo o contraditório, os lutadores terão que ter a noção de que são atletas profissionais, ídolos e representam o esporte. A maioria dos profissionais nunca tiveram nenhum problema de "bad behavior". Ao contrário: somos exemplos de que o MMA tem transformado para o bem as pessoas. Mas para os casos isolados vamos aplicar o que a sociedade espera de nós: investigação e eventual punição se preciso.


Quem será responsável pela formação deste comitê disciplinar? Quantas pessoas farão parte?

A comissão será de cinco pessoas e o conselho recursal terá nove pessoas. Ambos com formação mista, com juristas, atletas e outros indicados pela comissão atlética.

Vamos seguir a linha criada pelo STF quanto ao julgamento das repercussões gerais, que são feitas virtualmente. Em nome da celeridade, creio que as reuniões devam ser virtuais. Seremos a primeira entidade de administração do mundo a adotar tal prática célere. Estaremos na frente de todos os outros esportes. Aqui, os Tribunais de Justica Desportiva possuem ainda uma velha roupagem que nem o STF tem mais. Vamos avançar nisso. Olho no futuro e na profissionalização"


Quais as punições que serão impostas?

A gravidade da causa será dada em três dimensões: leve, grave e gravíssima. As punições são dadas pela gravidade e vão desde multas até suspensões.


A CABMMA vai ter jurisdição para punir atletas por problemas ocorridos fora do MMA?

Se um atleta é filiado e tiver relatado um problema à CABMMA, a comissão pode abrir investigação, como nos casos de "bad behavior". Imagine um atleta profissional que espanque um vizinho. Os jornais todos vão dar em primeira página. Se ele é profissional e filiado, será aberta uma investigação na qual ele terá a garantia do contraditório. Na verdade, é até bom para o atleta profissional, que terá um espaço oficial para demonstrar sua versão dos fatos. A ordem é profissionalizar.


Como serão as audiências? Elas serão públicas? Terão transmissão pela internet ou serão disponibilizadas posteriormente na íntegra em vídeo?

Estamos em 2015 e temos que usar a tecnologia a nosso favor. Creio que o principal nesse caso é garantir a publicidade com celeridade. Publicidade, no mundo inteiro, é quanto ao resultado das deliberações. Vamos seguir essa linha. E vamos seguir a linha criada pelo Supremo Tribunal Federal quanto ao julgamento das repercussões gerais, que são feitas virtualmente. Em nome da celeridade, creio que as reuniões devam ser virtuais. Seremos a primeira entidade de administração do mundo a adotar tal prática célere. Estaremos na frente de todos os outros esportes. Nenhuma entidade, ao menos que eu conheça, adota tal procedimento no Brasil. Aqui, os Tribunais de Justiça Desportiva possuem ainda uma velha roupagem que nem o Supremo Tribunal tem mais. Vamos avançar nisso. Olho no futuro e na profissionalização.


A CABMMA pensa em tornar públicos os exames antidoping realizados pela entidade em parceria com a USADA?

Sim. Buscamos um esporte livre de dopagem.


A CABMMA pensa em passar a divulgar os árbitros das lutas antes dos eventos?

Sim, estamos vendo a melhor forma, desde que protegendo os profissionais de arbitragem de pressões indevidas. 


O Ricardo Pantcho, treinador do Dan Henderson, disse que o Hendo não confia na CABMMA e só aceitou lutar no Brasil porque os exames serão realizados pela USADA. Como você vê esse tipo de afirmação?

Se ele disse, vejo como uma desinformação e preconceito com o hemisfério sul, ou, ainda, pretexto para alguma outra intenção. Nosso protocolo antidopagem é WADA antes mesmo da USADA entrar no MMA. Aliás, a USADA é parceira de primeira linha da CABMMA. Somos considerados uma das melhores comissões do mundo pelos profissionais da regulação. Somos a única entidade não americana a participar da plataforma da ABC (tudo que fazemos aqui já vale nos EUA e, o que as comissões fazem lá, vale aqui). Somos um centro de excelência e somos brasileiros. Tal qual atletas brasileiros estão no topo do mundo no MMA, também estamos. Se alguém não confia na CABMMA é porque não confia em nenhuma comissão ou está desinformado. A culpa na verdade é nossa, que ficamos trabalhando o tempo todo e não nos preocupamos em divulgar o que fazemos. Nem assessor de imprensa temos. Somos considerados um dos melhores reguladores do mundo e somos os mais baratos do mundo. Não temos lucro. Talvez essa preocupação com trabalho nos tira tempo de comunicação, marketing, essas coisas. Mas quem está na chuva é para se molhar. 

 

SOBRE A CABMMA
 
A “Comissão Atlética Brasileira de MMA”, ou CABMMA, é uma instituição neutra e sem fins lucrativos. E foi fundada com o intuito de cuidar, principalmente, da segurança dos atletas (amadores ou profissionais), tendo como foco o crescimento seguro e organizado do esporte.
 
-   FALE CONOSCO
-   FAÇA SUA AFILIAÇÃO
     
 
 
     
LEIA MAIS
Copyright © 2013 Comissão Atlética Brasileira de MMA. All rights Reserved.

 

Desenvolvido por Arte Digital Internet